19 de fevereiro de 2019

Sem palavras!

A Voz do Operário - Espaço Educativo do Lavradio, publicou estas duas imagens em representação da nossa ida junto à instituição com o espectáculo Estações. Ficámos sem palavras, guardamos aqui este registo para que possamos, nos dias mais frios, aquecer o coração.

Gratos uma vez mais, tanto pelo gesto, como pelas palavras maravilhosas que vêm dar o significado certo àquilo em que acreditamos.

Um até breve pequenino!

 

24 FEVEREIRO / Domingo

“PINÓQUIO” o musical
pela PROTAGONIZAMAGIA (Lisboa)
M3 | 60min

17 Fevereiro (Domingo)
Cinema S. Vicente

14 de fevereiro de 2019

Terapia para uma Mala Vazia!

“Terapia para uma MALA VAZIA”
por LIBÉLULA TEATRO (Leiria)
M14 | 50min

16 Fevereiro (Sábado)
Espaço Animateatro
21H30



Sinopse
Um homem sujeita-se a escrutinar o passado à procura de respostas para as suas insatisfações atuais, naquela que parece ser uma consulta de terapia normal. A relação entre paciente e terapeuta vai-se revelando muito para além do que seria expectante. Frustrações, inquietações, desejos são trazidos à luz de um quotidiano em que se intromete um objeto capaz de desviar atenções e trazê-los de volta à normalidade.

Ficha Técnica e Artística
Criação artística/Produção: Libélula Teatro | Texto: Sandrine Cordeiro | Elenco: Emanuel Jacinto, Sandrine Cordeiro | Música original: Fabrício Cordeiro | Técnico: Afonso Jacinto


Pinóquio!

12 de fevereiro de 2019

17 FEVEREIRO / Domingo


“PINÓQUIO” o musical
pela PROTAGONIZAMAGIA (Lisboa)

M3 | 60min

17 Fevereiro (Domingo)
Cinema S. Vicente
16H

+ evento facebook


Um espetáculo que aborda de forma atual, divertida e didática, a sociedade de hoje, o lugar e a prioridade das vivências das crianças de hoje!
Que lugar tem a família e os amigos?
Que lugar tem a verdade?

Sinopse
Pinóquio é um sonho que nasce das mãos de um velho carpinteiro e se torna real pelos poderes mágicos de uma Fada que lhe concede a vida! Começa assim esta verdadeira aventura, que leva Pinóquio a um mundo de peripécias e surpresas, que nem sempre correm bem…. Sem orelhas de burros, baleia gigante (porque hoje, os desafios são outros) esta aventura será única!
A caminho do seu primeiro dia de Escola, para onde vai entusiasmado por poder aprender tantas coisas novas, é enganado por dois malvados que o convencem a embarcar para a Ilha da Fantasia! Um lugar onde as crianças podem fazer o que quiserem, do fast food, aos videojogos, tudo é possível…o que leva esta marioneta com vida a mentir!
Será este o caminho de Pinóquio?
Será a Ilha da Fantasia, um mundo perfeito?
Resta acompanhar-nos e viver esta aventura!

Ficha Técnica e Artística
Encenação e texto: Ana Balbi e Bruno Pópulo | Interpretação: André David Reis, Bruno Pópulo e Duarte Lopes | Música Original: Ricardo Monteiro e Nelson Mendes | Produção: PROTAGONIZAMAGIA

16 FEVEREIRO / Sábado



“Terapia para uma MALA VAZIA”
por LIBÉLULA TEATRO (Leiria)
M14 | 50min

16 Fevereiro (Sábado)
Espaço Animateatro
21H30


8 de fevereiro de 2019

Guia dos Teatros

O Guia dos Teatros tem uma lista de criações a voto e podem votar aqui, pelo que por surpresa a Animateatro está mencionada com A caminho do Saber e o Estações.

'Bora votar?

5 de fevereiro de 2019

10 FEVEREIRO / Domingo

“SEMENTES quando o sonhadário germina”
teatro clown
por CASULO | CAÍSA TIBÚRCIO (Brasil)

M3 | 45min

10 Fevereiro (Domingo)
Cinema S. Vicente
16H



<


Sobre
O espetáculo trabalha com a metáfora poética da semente, fala-nos sobre as possíveis sementes da vida, das organizações, dos desejos, dos sonhos, da arte. A criação iniciou com as memórias de uma brincadeira de criança em que diziam: “se engolires uma semente de fruta nascerá uma planta na tua barriga”. Estas possibilidades e fantasias povoaram a mente da atriz Caísa Tibúrcio durante a montagem deste solo clownesco. A metáfora de plantar e cuidar de uma semente foi ganhando mais força com a influência imagética do filósofo Gaston Bachelard, com o poeta Wilson Pereira, com as metamorfoses naturais presentes na poesia de Manoel de Barros, também com a figura mítica Maira Jatobá de Helena Oliveira, a música de Luiz Gonzaga, “A maior flor do mundo” de José Saramago e “Marcelo Marmelo Martelo” de Ruth Rocha . O espetáculo é uma brincadeira que serve para experimentar o mundo sob o signo de uma semente, a personagem é uma plantadora imperturbada que nos instiga a sermos nós próprios terrenos férteis capazes de germinar desejos incríveis. Semeando teremos a oportunidade de cheirar flores imaginadas, dançar e ouvir a música dos passarinhos, comer a fruta nascida dos devaneios de infância, afirmar a liberdade do sonhadário.

Sinopse
Das lembranças de menina, de quando a semente brotava do próprio ser, nasceu esta poesia.
Vem do começo da vida, do sonho.
Num pedaço de terra seco, no interior do mundo, uma mulher se encontra sozinha.
Carrega na sua bagagem a simplicidade, o sonho e alguns objetos encantatórios.
De repente…momentos mágicos acontecem.
Será que ela está mesmo sozinha?

Ficha Técnica e Artística

Atriz e Concepção: Caísa Tibúrcio | Dramaturgia: Caísa Tibúrcio e Ana Flávia Garcia | Direção Musical: Lucas Tibúrcio | Direção de Arte e Figurino: Roustang Carrilho e Caísa Tibúrcio | Iluminação: criação coletiva | Fotografia: Diego Bresani, João Campello e Franz Mendes | Registro videográfico: Baleia Filmes | Designer gráfico: Jana Ferreira | Produção Geral: Casulo Teatro


29 de janeiro de 2019

3 FEVEREIRO / Domingo

“À PROCURA do PRINCIPEZINHO”
A partir do texto “O Principezinho”, de Antoine de Saint-Exupéry
por MAGNÓLIA (Oeiras)

M3 | 60min

3 Fevereiro (Domingo)
Cinema S. Vicente
16H

+ evento facebook


Sinopse
Passaram-se anos desde que o Principezinho apareceu junto do aviador.
Que lhe terá acontecido? Terá voltado para o seu planeta?
Ou terá a serpente simplesmente tê-lo feito desaparecer?
Ou foi tudo afinal um sonho?
A partir do conto original de Saint-Exupéry, embarcamos numa jornada de busca, de aventura, de reencontros, talvez de sonhos…..
Embarca connosco!!

Ficha Técnica e Artística

Elenco: Ana Luísa, Cristina Lopes, Joaquim Frazão, Lia Colorado, Mafalda Dinis, Rita Castaño, Rogério Paiva, Joana Duarte, Rodrigo Gonçalves | Adaptação e Encenação: Ester F. Gonçalves | Produção Executiva: Ester F. Gonçalves, Carina Osório | Produção: Projeto Magnólia

25 de janeiro de 2019

Estações!

“ESTAÇÕES”
28ª criação infantil ANIMATEATRO
Espectáculo p/ primeira infância
6 meses – 3 anos | 35min

27 Janeiro (Domingo)
Cinema S. Vicente
16H

Espectáculo em cima do palco p/ maior proximidade c/ o público.



Sinopse
O Ano perdeu o Dia, sem ajuda a viagem não será possível! Diana salta para a carruagem e percebe que em cada estação é necessária manutenção. Na Primavera há que ajudar flores a brotar, no Verão orientar a areia num quente chão, no Outono apanhar folhas que voam e caem, no Inverno espremer nuvens que água nos dão. Num só dia ver o ano em ação, de estação em estação…

Ficha Técnica e Artística
Encenação e Direção: Lina Ramos | Interpretação: Cláudia Palma e Sérgio Marcelino | Cenário, Figurinos, Conceção Plástica: Lina Ramos | Serralheiro: José Galego | Costureira: Lina Ramos e Teresa Beirão | Imagem: César Duarte | Composição Musical: Cláudio Gomes Pereira e Sérgio Marcelino, originais e versões de As Quatro Estações de António Vivaldi | Fotografia: Patrícia Ricardo e Paulo Vicente | Produção: Animateatro

 

Mário ou Eu-próprio-o-outro!




“MÁRIO ou EU PRÓPRIO-O-OUTRO”
por UMBIGO (Lisboa)
M14 | 60min

26 Janeiro (Sábado)
Espaço Animateatro
21H30


22 de janeiro de 2019

27 JANEIRO / Domingo

“ESTAÇÕES”
28ª criação infantil ANIMATEATRO
Espectáculo p/ primeira infância

6 meses – 3 anos | 35min

27 Janeiro (Domingo)
Cinema S. Vicente
16H

Espectáculo em cima do palco p/ maior proximidade c/ o público.

26 JANEIRO / Sábado

“MÁRIO ou EU PRÓPRIO-O-OUTRO”
por UMBIGO (Lisboa)
M14 | 60min

26 Janeiro (Sábado)
Espaço Animateatro
21H30

+ evento facebook


Sobre
Quis o destino, ou outra força desconhecida, como a coincidência, que criássemos esta produção no ano do centenário da morte do seu protagonista: Mário de Sá-Carneiro, 2016. Esta vontade da companhia em recriar cenicamente o texto de José Régio, fantasiando o dia do suicídio do seu amigo Mário, estava na gaveta das nossas vontades, e naquele ano decidimos tirá-la de lá, levando-a agora a outros palcos. Assim, surge esta criação artística, de artistas, sobre artistas, através de artistas e para todos. O poeta e contista Mário de Sá-Carneiro, é o protagonista, José Régio, o autor. Ambos homens das letras. Amigos. Artistas. Loucos. Como se a loucura pudesse ser sempre identificada. Ambos se confrontavam com dualidades, com alter-egos, com contrastes e cobiças projetadas em alguém deles próprios, mas camufladamente privados, íntimos. No caso de Fernando Pessoa, amigo bastante próximo de Sá-Carneiro, podemos dizer que acontecia o mesmo, mas manifestado de forma diferente. Pessoa não só se recriava enquanto vários Outros, mas também dava a conhecê-los. Mário escondia o eu Outro de todos, porque o escondia de si, exorcizando-se dele apenas nos seus textos. Esta projeção era construída através dos reflexos dos seus antagonismos, servindo-se dela para o fazer sentir rebaixado e vitimizado, uma forma de estar que cada vez mais começou a tomar conta deste artista, fruto da sua loucura, ou estranha razão, mas sempre e progressivamente com tendências depressivas, e, mais tarde, suicidas. Foi assim que encontrou a solução para que o outro o deixasse em paz, tomando uma forte dose de estricnina. Régio, através das suas palavras, conta esse momento; cartas entre Mário e Pessoa ilustram esses pensamentos, e com estes ingredientes, nós criámos este espetáculo.

Sinopse
26 de abril de 1916, Mário de Sá-Carneiro suicida-se em Paris. Na verdade, não se suicidou, foi suicidado. Pelo Outro, por ele próprio, o espelho de uma mente instável e revoltada em si, de si, para si. Este espectáculo vem propor um tecido cénico e performativo a este episódio, escrito por Régio e com textos das cartas de Fernando Pessoa, recriando uma relação entre dois personagens com génese apenas num. A atuação das palavras e os diálogos visuais são criados num jogo de conflito, submissão, superioridade e loucura. Os dois personagens não procuram ser o oposto um do outro, mas sim a personificação de desejos e diferenças que Mário almejava. E deu vida ao Outro. E o Outro, deu-lhe a morte.

Ficha Técnica e Artística
Texto de: José Régio | Cartas de: Fernando Pessoa | Poemas de: Mário de Sá-Carneiro | Adaptação e Encenação: rogério paulo | Interpretação: Anouschka Freitas e Ricardo Barceló | Grafismo: roger | Produção Artística: umbigo – companhia de teatro | Produção Executiva: Resto de Nada – Associação Cultural


15 de janeiro de 2019

8 de janeiro de 2019

20 JANEIRO / Domingo

“CAPUCHINHO VERMELHO” teatro musical
por TEATROESFERA (Sintra)
M3 | 60min

20 Janeiro (Domingo)
Cinema S. Vicente
16H

+ evento facebook


Sinopse
Publicada pela primeira vez pelo francês Charles Perrault, e depois pelos Irmãos Grimm o conto sofreu inúmeras adaptações, mudanças e releituras sendo uma das fábulas mais conhecidas de todos os tempos. Fernando Gomes inspira-se na conhecida série infantil Rua Sésamo, onde ele próprio participou como ator, para construir um divertido espetáculo destinado às crianças de todas as idades, tendo como pretexto a história da Menina do Capuchinho Vermelho. São cinco divertidas personagens que aguardam ansiosamente a entrada do público para contarem e cantarem, a conhecida história da Menina do Capuchinho Vermelho, a tal que não resistindo à sua enorme curiosidade e conrtando caminho, ao dirigir-se à casa da avó, esquece as recomendações dos pais e resolve atravessar a floresta. Mas o caminho mais curto nem sempre é o mais seguro…

Ficha Técnica e Artística
Adaptação e Encenação: Fernando Gomes | Elenco: Ana Landum, David Granada, Isabel Ribas, Jorge Estreia e Luís Pacheco | Produção: teatroESFERA

19 JANEIRO / Sábado




“A NEGRA” concerto
por SARA RIBEIRO (Portugal)

M16 | 60min

19 Janeiro (Sábado)
Espaço Animateatro
21H30

+ evento facebook


. mother: https://www.youtube.com/watch?v=Eqrei_5UHRs
. roubo da Paz: https://www.youtube.com/watch?v=rqgofqqcqoQ


Sobre
Com percurso firmado como actriz, o mais recente trilho criativo de Sara Ribeiro conduziu-a
à música, sob a pele de A Negra. Este projecto é o resumo da sua longa jornada enquanto intérprete e marca um novo caminho que cruza os seus vários mundos artísticos. A sua diversidade estilística, performativa e vocal é avessa a rótulos, permite-nos, no entanto, colocá-la algures entre a spoken work e a soul, entre o hip hop e o acid, entre a balada e o protesto… La Negra faz-se acompanhar de Hugo Novo (GNR, Loopless…), na composição e arranjos, teclados e sintetizadores, que se entrelaçam num groove envolvente e a bateria de Márcio Pinto (Terrakota, Olivetreedance…) que marca ritmos distantes, do r&b norte-americano às sonoridades tribais africanas e de todo o mundo que os aparta.

Sinopse
A instrumentação e sua voz densa e carregada marcam a pulsação dos textos, fruto das personagens femininas e outras que compõem o imaginário da artista e das inquietações que a assolam. Destaca-se a força da palavra ou as fortes emoções e mensagens que compõem os enredos que La Negra narra. Sejam eles reflexões sobre o mundo, sobre o que os outros nos convocam, sobre os fantasmas que nos habitam, ou protestos com qualquer um daqueles. O mundo de A Negra é tão pungente e visceral, quanto fantasioso e delicado.

Ficha Técnica e Artística
A Negra (Sara Ribeiro) – voz | Márcio Pinto – bateria e percussão | Hugo Novo – teclados e sintetizadores | Frederico Gracias – operação de som | Ao Sul do Mundo – management e agenciamento